Almanaque Literário

Uma Esperança de Paz

livro-uma-esperanca-de-paz-sandy-tolen_MLB-F-3249699899_102012“Uma Esperança de Paz” não é um romance, pelo menos, não um romance como nós o conhecemos, não há beijos apaixonados, nem é uma versão oriental de Romeu e Julieta, nada disso, trata-se de uma amizade extremamente forte, tão forte que foi capaz de resistir ao tempo e as guerras entre as nações de Israel e a Palestina. O livro conta duas histórias simultaneamente, a de Bashir, um garoto Árabe que viveu no período em que seu povo era expulso de suas casas, as quais se transformavam em lares para os Israelitas recém refugiados da 2° Guerra Mundial, e Dália, uma jovem Israelita que viveu a experiência de ser uma estranha em sua própria terra. A vida desses dois jovens se cruzam no exato momento em que Bashir junto à dois amigos resolvem fazer uma viagem para visitar o lugar no qual um dia eles moraram, mesmo com o medo de serem pegos pela segurança de Israel e serem classificados como terroristas, os jovens se aventuram e vão até as três casas que foram pertencentes as suas respectivas famílias. O primeiro dos jovens não é recebido bem pelos novos donos, e batem com a porta em seu rosto, o segundo descobre que sua antiga casa virou uma escola, já Bashir é recebido gentilmente por Dália, ao qual lhes convida para entrar, esse simples gesto desencadeia um exemplo de tolerância e de diálogo que dura 40 anos, uma grande amizade, a pouca esperança de paz entre as duas nações.
Este livro marca uma fase muito importante na minha vida, quis colocá-lo aqui como sendo um dos primeiros na minha série de análises sobre literatura, pois ele traça um período de crescimento com relação aquilo que eu lia e o que estava começando a ler. Sempre li livros de autores renomados, Voltaire, Maquiavel, Machado de Assis, Guimarães Rosa e etc. Porém, acabava lendo-os mais por serem famosos e achar que eram importantes para minha formação, ainda não tinha a noção do quanto eram singulares e seu conteúdo das entrelinhas fantástico, mas, foi com “Uma Esperança de Paz”, de Sandy Tolan, que comecei a ler livros de forma mais crítica, não mais uma corrida até o final, e sim, uma forma de refletir os problemas da sociedade global. Sempre me perguntei: como chegar a um consenso quando dois povos querem a mesma coisa? Quando a satisfação de um é a insatisfação do outro, no caso da briga entre Israel e os Árabes não podemos desconsiderar uma série de fatores, para que lado pesa mais a gangorra? Quem tem os direitos? Passei a minha infância toda acreditando que os israelitas mereciam o lugar onde moravam, que era deles por direito santo, quando você cresce em uma religião cristã, aprende sempre a olhar para a nação Árabe como um povo mal criado, rebelde, que passa a vida lutando por uma causa perdida. É essa a desmitificação que o autor pretende neste livro, essa obra não trata de vilões e mocinhos, não acusa Israel de serem usurpadores de Terra e muito menos põe os árabes em condição de vilões.
images (3)O livro baseia-se na amizade que surge entre os dois jovens, as diferenças sociais entre eles, os caminhos que cada um traçou para chegar até ali, mas, se engana quem pensa que a história é baseada na juventude de Dália e Bashir, aquilo é só uma prévia, o livro perpassa por vários momentos da vida deles, as guerras que ainda serão travadas, os movimentos de resistência que irão afastá-los fisicamente, as diferenças ideológicas, as necessidades partidárias, o autor vai mostrando como é inevitável nessa história se manter de um lado, não há como defender o consenso, são sempre duas famílias para um mesmo pedaço de terra, sempre duas histórias que jamais poderiam ocupar o mesmo espaço. Apesar de tantas dificuldades e vontades contrárias, Bashir e Dália se mantêm amigos, interessados um no outro, os dois casam, constituem famílias, seguem suas vidas, mas, sempre lembram com carinho do outro, vivem na linha de fogo, sempre olhando com olhar terno para o terreno ao lado. O final dessa amizade gera um lindo fruto, uma esperança, um espaço de diálogo entre Árabes e Judeus, provando que apesar do caos, é possível SIM um consenso.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s