Sétima arte

“Um Conto Chinês”, de Sebastián Borensztein

um-conto-chines“CONTO CHINÊS” é uma expressão argentina para definir um fato no mínimo bizarro  ou absurdo de acontecer na vida real. Este termo não poderia ser mais adequado  para dar nome a este filme que mistura humor ranzinza e fatalidades que se  encaixam naquela expressão popular que nós brasileiros conhecemos bem, a de que  algo “seria cômico se não fosse trágico”. Não há dúvidas no que tange ao mercado  internacional de filmes, que a Argentina vive hoje o seu apogeu da produção  cinematográfica, desde “O segredo dos seus olhos” ganhador do Oscar de 2010 na  categoria Melhor Filme em Língua Estrangeira, grandes títulos vêm sendo lançados e  o melhor, agradando as massas em diferentes culturas, e nossos Hermanos andam  mostrando que a ameaça de serem os melhores da América Latina não se restringe  apenas as banalidades do futebol.

 Roberto (Ricardo Darín) é um pragmático senhor de meia idade, solitário,  independente, vive os dias na mais rigorosa rotina e sólida economia de humor, o  cara é pouco paciente e nada adepto da regra “o cliente sempre tem razão”. Pelo  contrário, em sua loja, tipos almofadados podem correr sérios riscos de saírem com  uma chave de fenda bem no meio da testa. Jun Hio (Ignácio Huang) é o Chinês que emigrado de seu país, depois que uma vaca acabou com seus sonhos, encontra Roberto por acaso e passa a morar com este, segue-se então uma série de desventuras em busca da família de Jun, que não fala uma palavra se quer em espanhol e tudo que tem de identificação é um endereço do seu tio tatuado no braço. Outros personagens envolvidos nessa história são Leonel (Ivan Romanelli) e sua esposa (Pochi Ducasse), únicos vizinhos com quem Roberto raramente mantém uma vida social, e a cunhada do jornaleiro, Mari (Muriel Santa Ana), que é o grande amor de Roberto, mas que ele insiste em renegar por não se achar uma pessoa apta a lidar com relacionamentos sérios.

un-cuento-chino-6O choque de culturas em um mundo tão individualista e ao mesmo tempo global é mostrado neste filme em uma perspectiva que nos deixa desconfortáveis, isso acontece porque ao longo da história nos vemos inseridos nos dois papéis, podemos ser tanto Roberto, frio, meticuloso, conservador, nos protegendo ao máximo para não termos nossas zonas de conforto abaladas, no caso dele, sua rotina, o conhecimento de como tudo iria transcorrer no seu dia lhe dava a segurança de continuar vivendo. Ao mesmo tempo, podemos nos inserir na pele de Jun Hio, quando nos identificamos com um estrangeiro, sozinho, que não consegue se comunicar quando tem algo a dizer, um objetivo a cumprir e todos passam diante dele e nada entendem. Às vezes vê-lo tentando se expressar e não conseguindo chega a ser claustrofóbico, o alívio nos vem imediatamente, quando em alguns pontos do filme um personagem surge com a habilidade de traduzir o que o rapaz está dizendo. No decorrer da narrativa vai surgindo um antagonismo entre os dois personagens, ao mesmo tempo em que vamos percebendo a ausência de um vilão, o que existe é a luta de duas pessoas perdidas na vida, seja de forma física ou espiritual, levando-nos todo tempo a buscar uma solução para o problema, que não afete os hábitos de Roberto, e que também traga sossego ao Chinês Jun Hio.

“Um Conto Chinês” é uma deliciosa comédia, quando assisto a um filme em espanhol, os palavrões, que em português podem soar bem pejorativos, em espanhol são tão engraçados, o personagem de Ricardo Darín faz uso de muitos deles, o que deixa as situações bastante cômicas. A interpretação de Ignácio Huang é muito bem construída, eu duvido que durante a exibição do filme você não sinta pelo menos uma vez a vontade de levar o chinesinho para casa e colocar na estante. Brincadeiras à parte, o filme é ótimo, uma das melhores produções de 2011 com roteiro simples e inteligente, ótimas atuações, o trabalho técnico não ousa, mas também não peca. É um filme seguro, tenho certeza que você não irá perder seu tempo assistindo, pelo contrário, será uma ótima experiência, afinal de contas, desde o que acontece com Jun Hio na china, passando por toda sua estadia na casa de Roberto, culminando no seu final, toda a história do filme não deixa de ser um grande conto chinês!

Um Conto Chinês (Um Cuento Chino, Argentina, 2011). Diretor: Sebastián Borensztein. Roteiro: Sebastián Borensztein. Gênero: Comédia, Drama. Elenco: Ricardo Darín, Muriel Santa Ana, Javier Pinto, Ignacio Huang, Julia Castelló Agulló, Enric Cambray 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s